Rua Tomás da Fonseca nº40, 1600-258 Lisboa
Especialidades Médicas e dentárias

Cirurgia oral

A Cirurgia Oral é a área da Medicina Dentária que diagnostica e trata de forma cirúrgica as patologias orais. Os tratamentos mais comuns são as extracções dentárias, nomeadamente os dentes do siso, a remoção de quistos dentários e tratamentos de lesões periapicais ou apicectomias.

Extracções dentárias

Actualmente a extracção dentária é um procedimento clínico relativamente comum e seguro. Recorre-se a este por inúmeros motivos dos quais, uma lesão de cárie muito profunda, existência de uma infecção que afecte já o osso e os dentes adjacentes, falta de espaço para todos os dentes na arcada dentária, entre outros.

Por vezes, os dentes poderão estar inclusos maioritariamente por falta de espaço para a sua erupção. Esta situação pode causar destruição dos outros dentes, inflamação, dor e apinhamento.

Extracção dos dentes do siso

Os dentes do siso normalmente erupcionam no início da idade adulta, entre os 17 e os 21 anos. Para algumas pessoas dão origem a dor e desconforto sendo necessária a sua extracção. Também a falta de espaço para a sua normal erupção poderá ser uma indicação para a sua remoção.

Apenas um médico dentista o poderá aconselhar e esclarecer acerca do seu estado de saúde oral e se deve ou não extrair os dentes do siso.

Quistos e Tumores

A existência de quistos não diagnosticados e/ou não tratados atempadamente pode causar a perda de dentes ou evoluir para condições mais graves na cavidade oral. Podem ser causados por infecções nos próprios dentes, crescimento dentário incorrecto, como em casos de dentes inclusos.


Dentisteria

A Dentisteria é a área responsável pela estética dentária e restauração de dentes fraturados ou que apresentem lesões de cárie. A forma utilizada para o seu tratamento poderá ser uma restauração com resinas compostas, directas ou indirectas (os chamados inlays/onlays), facetas e restaurações estéticas, mimetizando assim a estrutura do dente perdido. Como complemento, e após a saúde oral restabelecida, existe o branqueamento dentário.

Branqueamento Dentário

É hoje em dia um tratamento bastante procurado pelos pacientes. Devido ao natural envelhecimento dentário, aos hábitos tabágicos e alimentares ou a uma higiene oral insuficiente, os dentes têm tendência a escurecer.

Existem duas formas de realizar o branqueamento dentário: o ambulatório (em casa), onde o paciente coloca o gel numa moldeira e usa diariamente por um período de 1 a 6 horas durante vários dias ou semanas. Neste caso, o gel utilizado é de menor concentração; ou o de aplicação directa do gel mas em consultório. Pode ser feito em qualquer idade mas apenas actua em dentes naturais, sendo que todas as restaurações, facetas ou coroas pré existentes, poderão ter que ser substituídos após a finalização do branqueamento.

Facetas dentárias

As facetas dentárias são lâminas de cerâmica que se colam aos dentes de forma a recobri-los e a melhorar a estética e a função dos mesmos. São indicadas em casos de dentes fraturados, pigmentados ou com restaurações antigas extensas. Para a sua colocação, o dente tem que ter um ligeiro desgaste e as facetas são elaboradas em laboratório.


Endodontia

A Endodontia, também conhecida como desvitalização, é um tratamento conservador que visa tratar as patologias da polpa dentária e dos tecidos adjacentes à raíz dos dentes.

As causas mais comuns são por implicações por lesões de cárie, fraturas dentárias, trauma dentário ou lesões endo-perio. Pode também haver necessidade de tratamento endodôntico por motivos protéticos (por exemplo, colocação de coroa dentária). O facto de um dente ter sido tratado endodonticamente, não significa que não possa voltar a ser afectado com uma lesão de cárie e, em certos casos, por haver fracasso de um tratamento prévio, poderá necessitar até de um retratamento.


Higiene oral

Esta é a área da Medicina Dentária que tem como objectivo a prevenção e educação para a saúde oral. A destartarização, os selantes de fissura e a aplicação tópica de flúor são alguns dos tratamentos de Higiene Oral mais comuns.

Recomenda-se uma consulta de 6 em 6 meses para que se previnam doenças gengivais, detectem lesões de cárie e promovam os bons hábitos de saúde oral.


Implantologia

Os implantes dentários são colocados em zonas onde existe a falta de dentes de forma a funcionarem como uma raíz que irá suportar uma coroa unitária, uma ponte ou até uma prótese de uma arcada completa. A colocação da coroa ou prótese poderá ser no mesmo dia (se houverem condições para tal) ou após alguns meses.

Implantes dentários unitários

Se, por algum motivo, houver a falta de um só dente, este vai ser substituído por um implante sobre o qual será cimentada ou aparafusada uma coroa, funcionando exactamente como um dente natural.

Implantes dentários com Sobredentaduras

A sobredentadura é uma prótese removível, semi fixa, de uma arcada completa que será fixada a dois ou mais implantes, aumentando assim a sua retenção e fixação e dando uma maior segurança e qualidade de vida ao paciente.

Reabilitacao total com implantes

Em pacientes desdentados que necessitem de reabilitar com prótese total fixa sobre implantes, colocam-se quatro ou mais implantes em zonas especificas da arcada e, sobre estes, aparafusa-se uma prótese completa híbrida ou em cerâmica que ficará fixa, restituindo por completo a estética e a função dos dentes perdidos.

Este procedimento poderá ser feito em uma ou ambas as arcadas ao mesmo tempo.


Oclusão

A Oclusão é a área da Medicina Dentária que estuda e trata a relação da mordida entre os dentes dos ambos os maxilares e as suas repercussões nas estruturas adjacentes, nomeadamente a articulação temporo-mandibular. Uma má oclusão pode prejudicar esta articulação e levar a problemas como dores de cabeça ou pescoço, alterações posturais, ruídos articulares, zumbidos nos ouvidos, redução da abertura bucal, desgaste dentário e dificuldades na mastigação.

Uma das patologias mais frequentes na população é o Bruxismo. Estima-se que afecte cerca de 15% das pessoas em qualquer idade, podendo manifestar-se durante o dia ou enquanto dormem.


Odontopediatria

A Odontopediatria é a área da Medicina Dentária que se foca no atendimento de bebés, crianças, adolescentes e pacientes com certas deficiências. Tem como principal objectivo ensinar e orientar a criança e seus educadores para uma correcta saúde oral. A primeira consulta deverá ser feita entre os 6 e os 12 meses de idade ou aquando da erupção do primeiro dente de leite.

Posteriormente, a criança deverá visitar o dentista semestralmente. É fundamental que o Odontopediatra consiga transmitir calma e confiança à criança de forma a eliminar os seus medos e ansiedade. Alguns dos tratamentos realizados na Odontopediatria são a dentisteria pediátrica (restaurações), selantes de fissura, avaliação do normal desenvolvimento da erupção dentária e formação das arcadas, podendo a criança ser reencaminhada para a Ortodontia.

Tratamento dentário na Grávida

Actualmente, uma mulher grávida poderá fazer qualquer tipo de procedimento dentário, incluindo a administração de anestesias, caso haja necessidade, sem consequências nefastas para o seu bebé. Qualquer mulher que planeie engravidar, deverá fazer uma consulta de check up de forma a despistar futuros problemas dentários durante a gravidez.


Ortodontia

A Ortodontia estuda, planeia e trata o mau posicionamento dentário e dos maxilares. Actualmente existem variados tipos de aparelhos dividindo-se em fixos e removíveis. Qualquer que seja o tipo de aparatologia, o seu objectivo é devolver a estética dentária, corrigir e melhorar a função de toda a cavidade oral, sendo por vezes necessário recorrer a multidisciplinariedade entre áreas como a Terapia da Fala, Otorrinolaringologia ou até a Osteopatia/Fisioterapia.

Aparelhos fixos

Os aparelhos fixos são constituídos pelas braquetes coladas aos dentes que podem ser metálicas ou estéticas (de porcelana, safira ou policarbonato). Podem ser convencionais ou autoligados. Existem também os aparelhos fixos linguais, em que as braquetes sáo coladas à face interna (face palatina/lingual) dos dentes, tornando-os completamente invisíveis.

Aparelho fixo convencional metálico ou estético

Este é o tipo mais comum de aparelho. A sua estrutura é composta por tubos ou bandas, arcos e braquetes. O objetivo do aparelho é fazer com que os dentes sejam puxados, movendo-se gradualmente à posição correcta. Com este aparelho conseguem-se movimentos precisos dos dentes. Estes estão actualmente muito mais anatómicos e confortáveis para a cavidade oral.

Aparelho autoligado DAMON

O sistema Damon elimina a necessidade de utilizar a mecânica tradicional que pode requerer extrações de forma mais frequente. Utiliza menores forças, reduzindo ao mínimo a fricção. Desta forma as modalidades de tratamento mais eficientes são facilitadas e em consequência poderá proporcionar ao paciente um tratamento rápido e cómodo com menos consultas.

O sistema Damon utiliza forças biológicas que aproveitam os processos adaptativos do corpo para criar espaço de forma natural. Na maioria dos casos, permite fazer tratamentos sem extrações.
link: ORMCO Portugal.

Aparelho lingual INCOGNITO 3M

Este tipo de aparelho, colado na face interna dos dentes surge como uma óptima opção para aqueles pacientes que desejam alinhar o sorriso sem comprometer a sua aparência ao longo do tratamento. A sua funcionalidade é a mesma de um aparelho fixo. Além da vantagem estética, é também utilizado por praticantes de desportos de maior contacto, já que uma pancada na região da boca pode provocar traumas ocasionados entre o impacto e o aparelho e, com isso, ferir a cavidade oral.
link: aparelho INCOGNITO 3M

Aparelhos removíveis

Alinhadores Invisalign

Sendo dos aparelhos mais estéticos actualmente, os alinhadores são quase invisíveis e bastante sofisticados feitos por medida. São produzidos através de um software que permite visualizar o planeamento e o resultado pretendido. Promovem um tratamento estético mas também bastante higiénico (uma vez que dá a liberdade ao paciente para os retirar quando come e escova os dentes) e com menos dores. É também uma boa opção para pacientes que apresentem algum tipo de intolerância ou alergia ao metal, nomeadamente ao níquel, que existe nos aparelhos metálicos, podendo provocar inflamação excessiva na gengiva.
link: aparelho INVISALIGN


Ortopedia funcional dos maxilares

Esta especialidade utiliza aparelhos removíveis que estão soltos dentro da boca, agindo em ambos os maxilares. É uma forma de tratar sem dor, sem risco para raízes dos dentes permanentes nem para os ossos onde os dentes estão situados. A Ortopedia Funcional dos Maxilares pode, também, tratar de problemas da articulação temporo-mandibular.

Mordidas cruzadas uni ou bilaterais, crescimento insuficiente ou em excesso da mandíbula, respirador oral, problemas/estalidos na articulação temporo mandibular, apinhamento de dentes de leite ou na troca de dentição, falta de espaço para os dentes permanentes são os sintomas mais frequentes que mostram a necessidade de procurar um dentista especialista em Ortopedia Funcional dos Maxilares.

Na Ortopedia Funcional dos Maxilares a idade ideal para se iniciar um tratamento é por volta dos 2 ou 3 anos de idade. Mas, os problemas funcionais e suas consequências morfológicas podem ser diagnosticados e tratados em idades mais avançadas, incluindo adultos. Por ser iniciado em fases tão precoces do desenvolvimento crânio mandibular, é raro indicar-se a extração de dentes permanentes.


Periodontologia

A Periodontologia é a área da Medicina dentária que trata todos os tecidos de sustentação dos dentes como o osso alveolar, a gengiva e os ligamentos periodontais entre dentes e osso. As doenças periodontais incluem a gengivite e a periodontite.

A gengivite é uma inflamação da gengiva, sendo que é a mais fácil de ser tratada. A causa directa da doença é a placa bacteriana. Os danos podem ser revertidos, uma vez que o osso e restante estrutura que mantêm os dentes na sua posição ainda não foram atingidos. Entretanto, se a gengivite não for tratada, ela pode evoluir para uma periodontite e causar danos permanentes em toda a cavidade oral. O diagnóstico e tratamento atempado desta situação é de crucial importância para que não haja perda de dentes.


Prostodontia

A Prostodontia é a área da Medicina Dentária que consiste na reabilitação através de próteses fixas ou removíveis em zonas em que houve perdas dentárias.

Os procedimentos fixos mais comuns são as facetas, coroas ou próteses fixas sobre dentes ou sobre implantes. Os tratamentos de reabilitação também poderão ser removíveis, parciais ou totais recorrendo à elaboração de próteses acrílicas ou esqueléticas.

As próteses, fixas ou removíveis, são realizadas em laboratório, sendo que, sempre que necessário, durante o período em que está a ser elaborada, utiliza-se uma prótese provisória que visa manter a estética, a função e proteger as estruturas que servirão de apoio para o seu suporte em boca.


Radiologia


Terapia da fala

É a área da saúde que trabalha com os diferentes aspectos da comunicação humana: linguagem oral e escrita, fala, voz, audição e funções responsáveis pela deglutição, respiração e mastigação. Desenvolve atividades voltadas à promoção da saúde, prevenção, orientação, avaliação, diagnóstico e terapia.

Trata situações de afasia (perturbação da linguagem resultante de lesão neurológica), atrasos no desenvolvimento da linguagem, perturbações específicas da linguagem falada e escrita, e no campo da fluência/voz, intervindo nas perturbações articulatórias (substituições, omissões ou outros erros no discurso das crianças), na disartria (perturbação da fala resultante de lesão neurológica), na apraxia (dificuldade em executar movimentos neuromusculares necessários à produção da fala), na gaguez e na disfonia (perturbação da qualidade vocal caracterizada por rouquidão, esforço vocal, maus hábitos vocais, má utilização do aparelho vocal). Trata ainda problemas de deglutição, como a disfagia ou deglutição atípica.


Osteopatia

Fisioterapia é uma ciência da saúde aplicada ao estudo, diagnóstico, prevenção e tratamento de disfunções cinéticas funcionais de órgãos e sistemas, entre outas as disfunções cinético-funcionais (da biomecânica e funcionalidade humana).

As áreas de incidência da fisioterapia são:
Condições músculo-esqueléticas: alterações posturais, escolioses, torcicolos, disfunções da articulação têmporo-mandibular, lesões cápsulo-ligamentares, rupturas musculares, recuperação de fracturas, recuperação de cirurgias ortopédicos Condições neurológicas: acidente vascular cerebral (A.V.C.), paralisia cerebral, doença de Parkinson, paralisia facial, poliomielite, esclerose lateral amiotrófica, síndroma de Guillan Barré, lesões do plexo braquial.

Condições respiratórias: bronquiolites, doença pulmonar obstrutiva crónica, asma bronquica, bronquiectasias, fibrose quística.
Condições cardiovasculares: prevenção de doenças cardiovasculares, reabilitação pós-cirurgia cardíaca.

A origem da palavra Osteopatia, deriva do grego osteon (osso) e pathos (doença), tendo como base uma filosofia integrativa em que o corpo é visto como uma unidade de sistemas inter-relacionados que trabalham de forma conjunta para atingir o estado de saúde. É o conhecimento da estrutura, relação e função de cada parte do corpo humano na procura de correcção de disfunções que comprometem o funcionamento harmonioso do mesmo.

O tratamento é suave, indolor e não utiliza qualquer medicamento ou equipamento eléctrico, uma vez que as mãos do profissional são o seu principal instrumento de trabalho. Realizado em ambiente tranquilo e confortável, cada paciente tem um plano de tratamento individual, que inclui também a vertente de aconselhamento. Por ser um tratamento personalizado, normalmente os resultados costumam ser rápidos e a resolução dos problemas conseguida num reduzido número de sessões.

A osteopatia está indicada para todas idades e para variadas patologias como por exemplo, hérnias discais, lombalgias, disfunções viscerais, disfunções oculares, défices auditivos e patologias associadas à articulação temporo mandibular.

Está também indicada para tratamento em recém-nascidos, bebés e crianças. Nestes casos, procura-se identificar assimentrias, tensões ou alterações físicas originadas durante a gravidez/parto, acidentes ou apenas pelo crescimento normal.

As disfunções cranianas ocorrem comumente nos bebés podendo levar a outro tipo de patologias como o refluxo gastro-esofágico, o estrabismo, as alterações dos padrões normais do sono, as alterações nas arcadas dentárias, entre outras.


Otorrinolaringologia

A otorrinolaringologia é uma especialidade médica com características clínicas e cirúrgicas. O seu campo de actuação envolve as doenças do ouvido, do nariz e seios perinasais, faringe, laringe, cabeça e pescoço.

Entre as funções que o otorrinolaringologista avalia estão:
• a respiração;
• a audição;
• a deglutição;
• a voz e a saúde das cordas vocais.

São competências deste especialista as doenças relacionadas com o equilíbrio, como a labirintite, com o sono, como a apneia do sono e também as alergias